Eletra alcança bons resultados no primeiro trimestre de 2017
19 de maio de 2017
ELETRA sedia reunião da Comissão Técnica Regional de Contabilidade da ABRAPP
26 de maio de 2017
Exibir tudo

Giro de Notícias – Edição 136

RESGATE DO FGTS: EDUCADORA FINANCEIRA ORIENTA O QUE FAZER COM ESSE VALOR

 

Já foi divulgado o calendário de saques de contas inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). A renda extra vem em boa hora, mas é preciso cuidado para não colocar em risco a reserva financeira construída após meses – ou anos – de trabalho, e acordo com a educadora financeira da DSOP Goiânia, Dayane Godinho.

“O saque do FGTS gera uma expectativa parecida com a da chegar do 13º salário, de que se trata de uma renda extra completamente disponível para consumo – o que pode ser perigoso para as finanças. É preciso conhecer a verdadeira situação financeira antes de definir como gastar esse valor, considerando se está endividado, inadimplente, equilibrado financeiramente ou é investidor”, oriente Dayane Godinho.

Confira abaixo as orientações para quem está em situação de inadimplência, de equilíbrio financeiro e também para quem já tem o hábito de investir.

Se você está inadimplente:

Caso o valor resgatado seja suficiente para quitar alguma dívida em atraso totalmente, é interessante agir dessa forma. Mesmo assim, é válido negociar e conseguir descontos, diminuindo parte da dívida, para então fazer o pagamento à vista. Por outro lado, se não for para quitar 100% da dívida, avalie a opção de investir o valor para ter força para negociar no futuro.

De uma forma ou de outra, o principal a ser feito nessa situação delicada é se educar financeiramente, ou seja, mudar seu comportamento para não mais retornar à inadimplência. O primeiro passo é olhar para a situação de forma honesta e levantar todos os números, traçando um planejamento para renegociar a dívida – agora ou no futuro – em parcelas que respeitem o orçamento mensal.

Se você está em situação equilibrada ou é um investidor:

Ainda não ter um objetivo estabelecido para o uso dessa renda extra é preocupante, pois na ausência de uma meta, o valor pode acabar sendo utilizado em compras supérfluas e de pouca importância, ao invés de contribuir para a conquista de um sonho. Cada pessoa deve ter no mínimo três: um de curto prazo (a ser realizado em um ano), outro de médio prazo (entre um e dez anos) e outro de longo prazo (a ser realizado a partir de 10 anos).

Tanto na situação de equilibrado ou de investidor, é orientável fazer o saque as contas inativas assim que possível e aplicar o valor em investimentos como aporte na previdência complementar, CDB ou Tesouro Direto, entre outras, que rendam mais que o FGTS. A modalidade escolhida precisa corresponder ao prazo em que se deseja realizar seu projeto, tendo em vista a possibilidade de usufruir do mesmo na hora da aposentadoria ou resgatá-lo no momento desejado sem perder rendimentos.

(Fonte: DSOP Educação Financeira)