Giro de Notícias – 227 – 24/04/2019
24 de abril de 2019
Giro de Notícias – 228 – 08/05/2019
8 de maio de 2019
Exibir tudo

EletraNews – 26/04/2019

ACOMPANHE OS RESULTADOS DOS PLANOS ADMINISTRADOS
PELA ELETRA NO 1º TRIMESTRE DE 2019

A carteira consolidada da Fundação Eletra obteve um resultado de 2,50% no fechamento do primeiro trimestre de 2019. O retorno apresentado está abaixo da Taxa Mínima Atuarial (TMA) para o mesmo período, que foi de 3,05%. Considerando a média das rentabilidades da indústria dos Fundos de Pensão brasileiros, a rentabilidade acumulada da Eletra se apresentou levemente abaixo da média, uma vez que o resultado acumulado constante no estudo que compreende os dados de 118 Entidades Fechadas de Previdência Complementar, todas clientes da ADITUS Consultoria, foi de 2,68% para o primeiro trimestre deste exercício.

Esse descolamento entre a rentabilidade acumulada e a TMA se deve às altas variações apresentadas pelo INPC (Índice Nacional de Preço ao Consumidor) no ano de 2019. Até março/19, o referido índice (que é um dos componentes da Taxa Mínima Atuarial) apresentou uma variação acumulada, para o primeiro trimestre de 2019, na ordem de 1,68%. Como sabemos, a Taxa Mínima Atuarial para o plano de contribuição variável (Celgprev) é de INPC mais 5,45%, e de 5,55% para o plano de Benefício Definido (Eletra 1). Isso traz uma TMA de 3,04% para o Plano CV e 3,06% para o plano BD. Como comparação, a TMA do plano CV acumulada, para o período de janeiro a março do ano passado, foi de 1,83%.

Em destaque, temos a Carteira de Renda Variável, com uma rentabilidade acumulada, para o mesmo período, de 8,29% no plano CV, a qual está em consonância aos benchmarks da bolsa doméstica, que são o Ibovespa (Índice da Bolsa de Valores de São Paulo) e IBx-50 (Índice Brasil 50), que acumularam, nos três primeiros meses do ano, performances de 8,56% e 8,38%, respectivamente, mesmo com o mês de março/19 tendo apresentado um movimento de queda neste segmento.

A carteira de Renda Fixa apresentou uma rentabilidade acumulada de 2,25%, lembrando que essa carteira equivale a 69,20% dos Recursos Garantidores do Plano CV, a qual é composta por títulos públicos federais (precificados na curva na gestão própria, e a mercado, por gestores de recursos) e atrelados ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário). No plano BD, a rentabilidade acumulada da Carteira de Renda Fixa foi de 2,27%, a qual representa 78,34% do total dos Recursos do referido plano, e a sua carteira segue uma estratégia similar à do CV, mas com um perfil mais conversador.

Importante ressaltar que, neste primeiro trimestre, a economia local apresentou um cenário de forte inflação, uma vez que, a partir de fevereiro/19, os dados surpreenderam acima das expectativas do mercado, e o IPCA (Índice de Preço ao Consumidor Amplo) teve um crescimento em seu índice mensal de 134%.

Efetuando uma comparação, o índice de janeiro/19 registrou variação de 0,32%, enquanto que, no mês de março/19, foi de 0,75%, principalmente em função da elevação dos preços de alimentos e combustíveis. Soma-se a isso, um cenário político que apresenta indefinições e riscos, refletindo, diretamente, o ambiente macroeconômico, no qual a extensão da atual conjuntura do País também foi percebida nos juros futuros, que tiveram elevação em março/19.

Dentre os benchmarks da renda fixa, o CDI rentabilizou 1,51% no trimestre, enquanto que IMA-B 5 (Índice do Mercado Anbima) foi de 2,90%, que representa a carteira de NTN-B (Notas do Tesouro Nacional, série B), com vencimento em até cinco anos, para os quais a performance do segundo indicador, somente em março/19, foi de 0,78%, em linha com a inflação registrada no mês.

O segmento de Investimentos Estruturados apresentou uma rentabilidade acumulada de 3,30% no plano BD e de 0,86% no Plano CV. Essa diferença de performance se deve ao fato do CV possuir Fundos de Private Equity em carteira, os quais ainda não tiveram conclusos os processos de desinvestimentos. As alocações por meio de Fundos Multimercado Estruturados permitiram que a rentabilidade se mantivesse positiva.

Por fim, no segmento imobiliário, a Fundação mantém alocação por meio de Fundos, os quais representaram retorno acumulado de 0,67% no período. A exposição da carteira, em cada plano de benefícios, representa cerca de 3% dos recursos garantidores.

No gráfico abaixo, podemos constatar os desempenhos acumulados para o primeiro trimestre de 2019:

Abaixo, destacamos o desempenho dos retornos dos planos, em comparação com o estudo da Aditus Consultoria: