Giro de Notícias – Edição 174
7 de março de 2018
Giro de Notícias – Edição 175
14 de março de 2018
Exibir tudo

Confira a entrevista com Fernando Diniz, assistido da Eletra

Enquanto grande parte da população brasileira preocupa-se com o futuro da sua aposentadoria, Fernando Pereira Diniz, funcionário da CELG desde 1985, confiou na ELETRA, aumentou seu percentual de contribuição no Plano Celgprev ao longo da carreira e conseguiu garantir seu benefício previdenciário se aposentando aos 50 anos. Fernando trilhou uma trajetória de sucesso na Celg, entrou na empresa aos 18 anos de idade e após desempenhar várias atividades chegou ao cargo de auditor interno e recentemente encerrou sua contribuição na empresa ao aderir ao Plano de Demissão Voluntária (PDV). Fernando Diniz, conhecido por sua positividade e alegria, nos concedeu a entrevista abaixo, que tem como objetivo homenageá-lo e divulgar sua história de sucesso e confiança na ELETRA:

1. Fale um pouco sobre sua carreira e trajetória dentro da Celg. Quando começou a trabalhar na empresa e quais foram os trabalhos que desenvolveu lá?

Ingressei na então CELG – Centrais Elétricas de Goiás S/A, em 19/06/1985, no Departamento de Contabilidade – Seção do Ativo Imobilizado contando à época com 18 anos de idade. A empresa, naqueles dias, estava situada na Av. Anhanguera, Setor Oeste. Por lá, estavam sediados a maioria dos Setores Administrativos, bem como sua Diretoria. Mais tarde, já no ano de 1989, o Departamento de Contabilidade foi migrado para o atual Edifício Eletra, no Jardim Goiás. Desempenhei funções na Comissão de Licitação, Superintendência de Distribuição Sul e, desde o ano de 2001, por meio de uma seleção interna, fui promovido para a função de Auditor Interno.

2. Enquanto os brasileiros vivem a insegurança da reforma da previdência, você garantiu sua suplementação de aposentadoria na ELETRA, ao aderir ao Plano Celgprev. O que fez você acreditar na ELETRA e não optar pelo resgate de sua poupança e, também, qual a sensação de receber seu benefício ainda com tão pouca idade?

Aderi à Fundação Celg de Seguros e Previdência desde o primeiro dia de trabalho. Embora não tenha recebido nenhum tipo de esclarecimento sobre a função de um Plano de Previdência, vislumbrei aí uma maneira de complementar os rendimentos. Mais tarde, todo o quadro funcional da CELG foi beneficiado com o advento do Plano Celgprev que, na minha visão, fortaleceu nossas posições individuais. Embora alguns entendam que o antigo plano fornecesse uma melhor complementação, acredito que a migração foi uma imposição do mercado de previdência o que, no meu caso, foi um benefício.

A opção da aposentadoria em detrimento ao resgate é fruto de uma convicção interna fortalecida por algum tipo de conhecimento que adquiri como Conselheiro da Fundação e estudo particular sobre o assunto. Sempre fui comprometido com o equilíbrio de minhas finanças e, partindo do pressuposto que o assalariado administra recursos mensais, não caberia outra escolha senão o benefício, de acordo com as minhas convicções pessoais.

5. Qual a importância do seu benefício na ELETRA para o seu orçamento?

Primordial. Em linhas gerais, a complementação poderá manter razoavelmente o meu padrão de vida.

6. Relate qual a melhor lembrança ou experiência que vai levar dos anos em que trabalhou na Celg e, em especial, o fato de a empresa ter lhe proporcionado o Plano de Previdência Complementar Fechado.

A grande importância da CELG em minha vida se traduz em uma ou duas experiências. Naquela empresa, desempenhei minhas funções de acordo com o solicitado pelas gerências imediatas e, em última instância, pela Diretoria. Com o salário pago mensalmente, fui capaz de manter minha casa, meus estudos e os de minha família (esposa e dois filhos) e férias anuais dentro e fora do país. Tal ritmo de vida poderá ser continuado por meio da complementação oferecida pelo plano de previdência.

CONFIRA A ENTREVISTA COMPLETA NO PORTAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA E PREVIDENCIÁRIA DA ELETRA (http://www.seufuturovalemais.com.br).